Secretária fala sobre investimentos do município na área da saúde

por Assessoria de Imprensa última modificação 23/11/2018 10h58
Durante uso da tribuna, Zenici fez um resumo sobre as atividades na área da saúde de Canoinhas
Secretária fala sobre investimentos do município na área da saúde

Zenici fez uso da tribuna na sessão desta terça, 20

A secretária de saúde de Canoinhas, Zenici Dreher Herbst, usou a tribuna na sessão da Câmara de Vereadores na noite de terça-feira, 20. Para explicar o funcionamento da pasta da saúde de Canoinhas, assim como os investimentos aplicados pelo executivo também no Hospital Santa Cruz de Canoinhas.

No início da sua fala, a secretária relatou o caso de um paciente cardíaco que morreu no hospital, por suposta negligência do médico cardiologista que estava de sobreaviso. O caso está no Ministério Público, o que causou multa de R$ 500 mil aplicada pelo município ao HSCC, que administra o sobreaviso médico. Foram 69 denúncias relacionadas ao sobreaviso, das quais, segunda a secretária, as dez mais graves foram investigadas. “Esta multa serve para fazermos uma reflexão de que isso não pode acontecer, pois esse paciente não teve o suporte de sobreaviso, pois o município de Canoinhas paga R$ 220 mil mensais pelo sobreaviso médico em sete especialidades”, destacou.

Ainda durante sua fala, Zenici destacou que os serviços do hospital não foram colocados em descrédito, mas alertou que atitudes devem ser tomadas para que o fato não volte a se repetir.

Continuou sua fala explicando que o município, para ajudar uma entidade está condicionada à prestação de serviços SUS à população. E defendeu a cooperação mútua permanente, por saber das responsabilidade e competências legais do poder executivo municipal. “O SUS não é autossuficiente, nunca foi e nunca será, todos sabemos disso”.

“Muitos defendem o Hospital como prioridade, outros defendem o transporte para fazer quimioterapia em Porto União. Os acamados priorizam o atendimento domiciliar. Quando há necessidade de transferência, a ambulância é prioridade. Essas prioridades são de responsabilidade das três esferas de poder, porém, a maioria é descarregada nos Municípios”, destacou a secretária.

Também foi criticado por ela a atitude do Governo do Estado. “O que justifica a dívida mensal de R$ 100 mil do Governo do Estado com o Hospital? Não li nenhum comentário a respeito, nenhuma crítica”, questionou. A dívida do Estado pode chegar até R$ 800 mil no final deste ano.

 

Segundo Zenici, existem listas infindáveis de pacientes com exames prontos para realização de cirurgias, que dependem das Unidades de Saúde, de exames, medicamentos, dependem do HSCC, dos médicos e de toda a equipe. “Temos de avançar neste debate e evoluir enquanto gestores e enquanto sociedade. Temos que contratualizar melhor, buscar parcerias, ouvir, estudar, buscar estratégias e agir. A parceria entre o município de Canoinhas e o hospital existe há muito tempo, as despesas aumentaram em todos os serviços de saúde”, frisou. Segundo ela, o governo de Canoinhas está em dia com todos os repasses e compromissos assumidos, o Governo Federal repassa regularmente os recursos conforme produção e incentivos, o Estado de Santa Catarina está em débito com Canoinhas, desde os recursos da Porta de Entrada e envio de medicamentos de alto custo. “Vou sempre fazer a minha parte enquanto profissional de saúde, mas no contexto atual, enquanto gestora do SUS e representante da população canoinhense, vou fiscalizar, vou monitorar, vou agir e trabalhar incansavelmente, porque acredito na força da verdade e da transparência”, afirmou.

Com relação aos R$ 500 mil, que seriam necessários para garantir o 13º salário dos funcionários, Zenici afirmou que “vamos encontrar uma solução, mas não é só esse o problema. Para este ano são R$ 500 mil que faltam. Para o ano que vem são R$ 3 milhões. Então temos de achar uma solução”, conclamou, lembrando que o déficit mensal do HSCC é de R$ 247 mil.

 A secretária ao final, apresentou aos vereadores e comunidade, sugestões para melhorara gestão do Hospital Santa Cruz, sendo elas:

  1. Se o médico não vai atender, sugiro o desconto. Substituir os médicos que não querem trabalhar.
  2. Cobrar taxa dos médicos por procedimentos particulares.
  3. Oferecer serviços para municípios vizinhos.